Blog Archives

[Resenha/Livro] Harry Potter and the Philosopher’s Stone

ss-uk-adult-jacket-art

Título no Brasil: Harry Potter e a Pedra Filosofal

Autora: J. K. Rowling

Ano de lançamento: 1997 (Reino Unido)/2000 (Brasil)

Edição lida: Inglesa (Adult Hardcover)

Editora: Bloomsbury

Número de páginas: 223

Ah, Harry Potter! Isso fez parte da minha infância. Acredito ter sido um dos primeiros a ler o livro aqui no Brasil, logo nos anos 2000. Um amigo me emprestou o primeiro livro, quando ele o nome Harry Potter ainda era escrito sem luxo algum, sem raio saindo do P nem nada do tipo. Bons tempos, onde eu, no auge dos meus dez anos, começava a tomar gosto por ler livros.

Olha aí a capa do primeiro Harry Potter que li!

Olha aí a capa do primeiro Harry Potter que li!

Antes já havia lido O Pequeno Príncipe, O Menino no Espelho, O Menino do Dedo Verde e mais alguns aí… mas foi Harry Potter que me fez amar ler, certamente. Já reli o primeiro livro da série inúmeras vezes, mas agora decidi que vou reler a série toda em inglês, no original.

Agora não, porque ano passado terminei Harry Potter and the Philosopher’s Stone e estou perto de terminar Harry Potter and the Chamber of Secrets. É claro que eu sabia de tudo o que acontecia, mas é legal reler no original. Justamente porque aí pude perceber as diferenças de adaptações.

Bom, para quem não sabe (o que acho difícil existir), o primeiro livro conta o início da saga de Harry Potter, o garotinho que sobreviveu de um feitiço mortal praticado pelo bruxo mais malvado e temido de todos os tempos. Após a terrível fatalidade, que levou os pais de Harry para o além, o garoto foi criado por duros e terríveis anos por seus tios horrorosos e teve de conviver com seu primo mais intragável ainda.

Sua sorte reside em uma carta que chega quando seu aniversário de onze anos se aproxima, informando-o que ele é na verdade um bruxo e que teria uma vaga especial em Hogwarts, uma escola para pessoas dotadas de poderes mágicos. E então o livro vai narrar sobre as aventuras de Harry nesse mundo fantástico que é Hogwarts, onde a maior parte da história se passa.

A premissa parece bem simples, e é. Não se engane, Harry Potter and the Philosopher’s Stone é um livro infantil. Classificam-no como infanto-juvenil, mas a realidade é que é muito mais infantil do que juvenil. Contudo, a riqueza do universo criado por Rowling é impressionante.

O livro (na época e agora) me leva a lugares longínquos e inimagináveis. A imaginação rola solta durante toda a leitura, com animais fantásticos, feitiços e um pouco de história daquele mundo mágico. É um universo bastante inspirado, e os personagens melhoram isso ainda mais.

Essa é a primeira capa do livro no Reino Unido. Horrorosa.

Essa é a primeira capa do livro no Reino Unido. Horrorosa.

Ao invés de Rowling fazer Harry Potter como um modelo a ser seguido, um aluno exemplar e tudo mais, ela resolve fazer o contrário e o coloca como uma figura de se tomar pouca nota a não ser por ele ser famoso por ter derrotado (sem saber) o mais terrível bruxo de todos os tempos, Voldemort (pssst – Você-Sabe-Quem). Um garoto desleixado, que não sabe nada sobre magia e nem procura estudar sobre, e que deixa as tarefas para as últimas horas, Harry é o garoto comum em idade escolar.

Isso é interessante, pois, apesar de Harry ser o herói da história, ele nada seria sem seus dois melhores amigos: Ron Weasley e Hermione Granger. O trio é essencial para a aventura, sendo Hermione a mais inteligente de todos. Nascida trouxa (ou seja, de pais não-mágicos), Hermione possui magia correndo no sangue e foi para Hogwarts com basicamente todos os livros já decorados. Estudiosa e esforçada, é sempre ela quem tem a iniciativa de pesquisar sobre algum mistério, especialmente o que fica ao entorno do livro: o da Pedra Filosofal.

Ron representa a lealdade e a amizade. Pronto para o que der e vier ao lado de Harry, também se mostra muito mais do que é na escola – visto que é tão desleixado quanto o protagonista. Sem ele, Harry facilmente falharia em todos os seus propósitos durante o livro.

Por fim, Harry vem por representar a coragem e a superação. Um garoto órfão que teve uma infância difícil com os tios e agora é uma celebridade em Hogwarts, Harry possui uma curiosidade enorme e um bom senso de justiça. Isso o vai levar a várias encrencas e problemas, e isso vai trazer à tona sua determinação e coragem por impedir que algum mal ocorra.

O resto dos personagens são extremamente carismáticos e interessantes. Desde os professores ao brilhante diretor de Hogwarts, Albus Dumbledore, bem como o rival de Harry, Draco Malfoy, percebemos a profundidade dada aos personagens. Não há aqui quem seja totalmente bonzinho ou totalmente mauzinho. O Yin-Yang é muito balanceado por Rowling, e é por isso que nos apaixonamos facilmente por todos os personagens da série. Obviamente temos favoritos, mas até mesmo os mais secundários têm momentos interessantes.

Uma coisa para se notar na tradução para o português é o personagem Hagrid. Quando li em português, ele falava tudo absolutamente certinho, normalmente, que nem qualquer outro personagem. Porém, em inglês a coisa é diferente: Hagrid fala errado e com gírias, diferentemente dos outros. Isso mostra seu baixo grau de instrução. Não sei por que não fizeram isso na versão nacional, pois dá mais personalidade… só posso imaginar que, por ser um livro infantil à priori, preferiu-se deixar corretamente, para evitar que as crianças saíssem escrevendo errado… é a única coisa plausível.

A primeira aventura de Harry Potter foi, por muito tempo, meu livro favorito. Já devo tê-lo lido mais de quatro vezes em português, e agora soma-se uma em inglês. A linguagem é simples, direta e funcional, e Rowling tem o dom da narrativa dinâmica e até mesmo didática, não é nem um pouco difícil ler no original esse livro. Ok que o início é bem lento, talvez até mais do que o necessário, mas é importante sabermos quem são os Durlsey (os tios de Harry) e como ele foi entrar em Hogwarts. E ainda acho que, mesmo sendo o mais infantil da série, é um dos melhores dela.

Uma cena da adaptação cinematográfica do primeiro livro. Ao fundo vê-se o castelo de Hogwarts.

Uma cena da adaptação cinematográfica do primeiro livro. Ao fundo vê-se o castelo de Hogwarts.

Nota final: 5 estrelas (em um total de 5)

Advertisements
%d bloggers like this: